[MOVIE REVIEW] VIDA

| |

Sinopse: Seis astronautas de diferentes nacionalidades estão em uma estação espacial, cujo objetivo maior é estudar amostras coletadas no solo de Marte por um satélite. Dentre elas está um ser unicelular, despertado por Hugh Derry (Ariyon Bakare) através dos equipamentos da própria estação espacial. Tal descoberta é intensamente celebrada por ser a primeira forma de vida encontrada fora da Terra, sendo que um concurso mundial elege seu nome: Calvin. Só que, surpreendentemente, este ser se desenvolve de forma bastante rápida, ganhando novas células e uma capacidade inimaginável.


A ficção científica adora um filme do tipo presos no espaço, exemplos são o que não faltam, Alien: O Oitavo Passageiro, Gravidade, Interstellar, e por aí vai... o fato é que como quase tudo na atualidade é um tema já utilizado até a quase exaustão e onde os diretores normalmente se esforçam muito para conseguir reformular algo e criar algo bom disso, Vida é um dos casos em que esses esforços falham de forma miserável.
O plot de Vida e todo o roteiro é como se fosse um esboço do roteiro original de O Oitavo Passageiro, os acontecimentos são os mesmo, o que muda é que o roteiro todo parece ter sido feito as pressas, o filme não tem ritmo, tem furos grandes e principalmente, falha ao forçar e muito a emoção, é um daqueles filmes que tentam e tentam fazer você chorar apelando tanto que o que acontece é o contrário, já que a emoção vem da sutileza, coisa que esse filme não tem.


Os atores até se esforçam bastante, o que torna a experiência um pouco menos detestável, Gyllenhaal e Ferguson são atores que conseguiram dar uma boa parte de si para fazer do filme algo interessante, mas infelizmente seus esforços foram em vão, Ryan Reynolds também se esforça mas seu tempo de tela é tão pequeno que nem dá para criar alguma afeição pelo personagem, obviamente seu nome permanece nos posteres e na divulgação apenas para adicionar um nome de peso na produção.
Mas o pior do filme com certeza é o final, na tentativa de chocar, a produção abusa de uma trilha sonora gritante, e de gritos e um plot twist forçado, mas que não faz o mínimo de sentido, por maior que seja a licença poética que seja empregada a única explicação para aquele fim, como diz minha amiga, seria uma intervenção de Deus ex machina.
Vida até se esforça, mas acaba soando como um Oitavo Passageiro que não deu certo, e com certeza não vale nem de perto o preço do ingresso.

NOTA: 2/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário



ÚLTIMAS RESENHAS