[COMIC REVIEW] Batman Eterno

| |

Uma das HQs mais ambiciosas do Batman ultimamente 'Batman Eterno', publicada no Brasil com periodicidade semanal pela Panini, traz uma Gotham em um caos como nunca vista antes, a trama que começa com uma guerra de gangues onde Falcone após anos retorna para tomar seu lugar de chefe do crime de Gotham acaba por se revelar um planos muito maior onde todos são marionetes de um vilão cruel e inteligente.

A primeira cena que vemos é de Bruce Wayne, ensanguentado, com um morcego escarificado em seu peito, amarrado ao bat-sinal observando Gotham ardendo em chamas, a HQ então volta a meses antes desse incidente e mostra o que houve na cidade para a situação chegar naquele estado.


Em 2002 Jim Lee, Joeph Loeb e Scott Williams se juntavam para trazer uma das histórias do homem morcego mais conhecidas e amadas: 'Silêncio', a trama trouxe o Charada manipulando um vilão chamado Silêncio que por sua vez manipulava vários vilões clássicos do Batman para trazer caos a Gotham, destruindo a cidade e o homem que a defendia. Alguns anos depois, em 2014, Scott Snyder encabeça um time de ilustradores e escritores para trazer uma minissérie que acaba por repetir os mesmo elementos de 'Silêncio' de uma forma vertiginosa.


O grande diferencial da minissérie é a quantidade de tramas paralelas que cercam a história principal, formando um emaranhado onde toda a bat-família acaba envolvida em um plano para sua própria destruição. Em paralelo a história dos morcegos, o passado de Selina Kyle é explorado e é revelado a identidade de seu pai, que na verdade é um dos antigos chefes do crime organizado de Gotham.
O GCPD também tem uma participação importante na série, assim como os repórteres da Gazeta de Gotham, mas em meio a tantas histórias paralelas o leitor acaba confundindo e sendo enrolado por muito mais tempo do que deveria, a solução da história poderia ter sido muito bem resumida em vinte e tantos volumes ao invés dos 52 que a série trouxe, algumas motivações dos personagens são fracas e não inspiram nenhuma simpatia.


Também existe a inserção de cenas que não acrescentam nada a história, e servem apenas para criar alguma expectativa que no fim acaba dando em nada, como por exemplo a aparição de James Gordon Jr. para visitar seu pai na cadeia, que segue com um diálogo sem muito sentido e que não acrescenta nada na relação dos personagens ou para a história.
Mas entre todos os altos e baixos, temos a criação de Bluebird, o nome de heroína que Harper Row, que já tinha aparecido anteriormente na revista mensal do morcegão. A personagem realmente inspira carisma, e espero que seja melhor aproveitada pela editora posteriormente.


Para concluir, Batman Eterno é apenas um 'Silêncio' revisitado, que como em várias histórias comandadas por Snyder falha ao tentar se tornar algo maior do que deveria, mas ainda assim é uma leitura que consegue te distrair e em seus pontos altos realmente agrada bastante.

2 comentários:

  1. Adorei a resenha e fiquei com vontade de ler a Hq, ela foi publicada esse mês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui no Brasil ela é publicada semanalmente desde o meio de 2015 pela Panini e ainda não teve o final publicado ainda aqui.
      xoxo

      Excluir



ÚLTIMAS RESENHAS